Resenhas e Críticas

Minicontos e maxiqualidade

A suprema economia de palavras – o que torna cada vocábulo necessariamente preciso e quase insubstituível – talvez aproxime o miniconto mais do poema, pela característica citada, do que do conto padrão. É como se a criança recém nascida fosse mais parecida com um primo, digamos, do que com o pai. Enfim, assim como exige o fazer poético (uma lapidação e um foco praticamente fonema a fonema, sílaba a sílaba, sem esquecer o todo), também o cultivo do miniconto não deixa por menos - sem trocadilho.

Aliás, para que esta criança sobreviva por si mesma, necessita ser assim, impecável. Pois não pode utilizar os recursos mais amplos das narrativas longas, com sua gama de climas, cenários e situações várias, e personagens à vontade. No presente caso, o autor só pode contar com a força concentrada do minimalismo.

Saindo das generalizações e fechando em close num exemplo concreto, temos em mãos “Minicontos e muito menos”, dividido meio a meio, como os valetes do naipe, por Laís Chaffe e Marcelo Spalding. Auxiliado por ótimas ilustrações sem meios tons de Alexandre Oliveira, o minilivro da Editora Casa Verde ( www.casaverde.art.br ) merece ser lido – e comentado.

Classudo, foge da tentatação de chamar de miniconto alguma frase de efeito ou uma piada – facilitário a que não resistem muitos outros praticantes.

Estes dois autores, aqui, provam que é possível ir longe com este ente literário de pernas curtas, o tal miniconto. Os climas, as sugestões, o duplo sentido, sobrevoam – do sublime ao sórdido - um quase nada de letras.

Confiram o acordo fáustico de Spalding, à página 22 do seu lado do livro:

Chegou tua hora, Serás moleque travesso, jogarás bola e bolita e botão, terás mulheres, filhos,carro e emprego. Gostarás de ir à praia e conhecerás o Rio de Janeiro, comprarás casa, terreno, assistirás ao teu time ser campeão do mundo, mas, antes dos cinqüenta, um disparo repentino levará teus movimentos, tua voz, tua fome. Topas?

“Velório”, de Laís, é sarcástico:

Cinco da madrugada. Convencem o viúvo a comer um sanduíche. Uma mosquinha ronda o presunto.

É... e que o tal sanduíche sirva de aperitivo, sem mosca, para que se abocanhe as demais histórias – minihistórias, com maxiqualidade.

Aliás, no caso, acho que já escrevi demais.

Disponível em: http://lavralivre.blogspot.com.br/2009/11/livro.html

José Antônio Silva
07/10/2013